Delegados potiguares viajam ao RJ para buscar ex-governador preso

Ex-governador do Rio Grande do Norte, Fernando Freire, foi preso em Copacabana e levado para a 12ª Delegacia de Polícia do RJ (Foto: Matheus Rodrigues/G1)

Ex-governador do RN, Fernando Freire, foi preso
em Copacabana e levado para a 12ª Delegacia de
Polícia do RJ (Foto: Matheus Rodrigues/G1)

Dois delegados da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte (Sesed) viajaram neste domingo (26) para o Rio de Janeiro para providenciar a transferência do ex-governador do RN Fernando Freire. Entre eles está o secretário adjunto da Sesed, Caio Bezerra, e o chefe do setor de inteligência da pasta. Fernando Freire foi preso no sábado (25) na orla de Copacabana, na Zona Sul da capital carioca. Ele chega a Natal nesta segunda (27), às 12h30, segundo a Sesed.

Ainda de acordo com a Secretaria de Segurança, Freire estava sendo monitorado havia duas semanas. Contra o ex-governador há mandados de prisão preventiva expedidos pelos juízes responsáveis pelas 4ª, 7ª e 8ª Varas Criminais de Natal. Após ser detido, ele foi levado para a 12ª DP, em Copacabana.

Fernando Freire já havia sido preso anteriormente em 2007 quando foi acusado pelo Ministério Público do RN de estar “manobrando para impedir a realização do seu interrogatório, evadindo-se do distrito da culpa”. O interrogatório do qual ele é acusado de evitar diz respeito ao processo no qual foi denunciado por suposto desvio de R$ 346.024,02 do Governo do Estado, em maio de 2007.
O pedido de prisão preventiva foi feito pela Promotoria do Patrimônio Público do Rio Grande do Norte em novembro de 2007, quando o membro do MP informou, à época, que tentava ouvir o ex-governador desde 31 de agosto daquele ano.

A ação que resultou na prisão do ex-governador contou com a participação do serviço de inteligência da Secretaria de Estado da Segurança Pública do Rio Grande do Norte (Sesed) que repassou informações à Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro.

Prejuízo de R$ 57,8 mil
As investigações apontaram que Freire cometeu desvio de dinheiro público entre fevereiro e novembro de 2002, quando foi vice-governador e, depois, governador do Rio Grande do Norte. O prejuízo estimado aos cofres públicos foi de R$ 57.832,13 em valores da época.

De acordo com os autos do processo, Fernando Freire desviou recursos públicos mediante o pagamento de 83 cheques-salários em favor de 14 parentes e correligionários do então vereador Pio Marinheiro, contemplando-lhe interesses pessoais e político-eleitorais. No entanto, os beneficiários não eram servidores públicos e não guardavam qualquer vínculo funcional com o Estado e os pagamentos foram feitos sem qualquer respaldo legal, realizados sempre sob a intermediação direta do réu.

A sentença da condenação é da 7ª Vara Criminal de Natal, assinada pelo juiz José Armando Ponte Júnior, e determina que a pena seja cumprida em regime fechado.  Durante a ação penal, Freire não foi encontrado e o magistrado ordenou a prisão preventiva do acusado. O ex-governador foi ainda condenado a pagar metade das custas processuais.

G1RN

Comentários