“Não vi nada”, diz a mulher do vereador Xanxam Suassuna executado em Patu

 

O delegado regional Sandro Reges, de Patu, iniciou as oitivas das pessoas que testemunharam a execução do vereador Alexandrino Suassuna Barreto Filho, o Xanxam, de 47 anos, por volta das 19h de domingo, no bairro Nova Brasília, do município de Patu. 

 As testemunhas relataram o que a imprensa já divulgou, ou seja, que a execução foi feita por dois homens usando revolveres calibre 38. Eles se aproximadamente rapidamente da vítima, que estava acompanhado com a mulher e filho, e abriram fogo, matando-o no local. 

Os atiradores fugiram em motos. Eles não usavam capacetes, entretanto, as testemunhas afirmaram que tudo aconteceu muito rápido e que todos se preocuparam em correr e se proteger e não viram o rosto dos atiradores, nem mesmo a família da vítima. “Não vi nada”, diz a mulher de Xanxam Suassuna, Crizialina Figueredo Rezende, em contato com o MOSSORÓ HOJE. Ela contou que desceu do carro com os filhos e entrou na churrascaria e quando ouviu os tiros e perceberam que o alvo era o marido dela Xanxam Suassuna. 

 Ainda conforme Crizialina Figueredo, quando aconteceu o ataque, a primeira preocupação foi procurar os filhos para protege-los e quando correu para a parte a externa já encontrou o marido inerte. “Fiquei desesperada, com muito medo”, diz. Crizialina Figueredo já foi interrogada pelo delegado Sandro Reges, assim como várias outras testemunhas. Para a Policia Civil, assim como todos os crimes com características de pistolagens que são realizados na região, o trabalho é dificultoso. Isto porque o escaneamento do local do crime é muito frágil, os depoimentos não ajudam e a família fica naturalmente assustada. Inicialmente o prazo para concluir as investigações e enviar o processo a Justiça é 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30. 

Comentários