Barra de vídeo

Loading...

quarta-feira, 15 de março de 2017

Mais de 500 pessoas já foram mortas no RN este ano, diz instituto

Na terça-feira (14) um policial militar foi morto a tiros em Natal (Foto: Filipo Cunha/Inter TV Cabugi)

O número é preocupante: 503 mortes em menos de três meses. O número foi divulgado na manhã desta quarta-feira (15) pelo Observatório da Violência Letal Intencional (OBVIO), que monitora as mortes violentas no Rio Grande do Norte. Em 2016, neste mesmo período, o número era 375.

As mortes mais recentes foram registradas entre a noite da terça (14) e madrugada desta quarta-feira. Pelo menos cinco pessoas foram assassinadas somente na Grande Natal. E uma sexta vítima tombou na cidade de Caicó, na região Seridó.

Em São Gonçalo do Amarante, os alvos foram dois jovens: um de 19 e outro de 20 anos. Eles foram mortos a tiros no meio da rua. Estavam em um carrinho de lanches. Outros três homens foram executados na Zona Norte de Natal. Um deles foi morto a tiros dentro de casa e os outros dois foram assassinados em via pública. 


Especialista em segurança pública e um dos coordenadores do OBVIO, Ivênio Hermes diz que considera os números “estarrecedores”, tendo em vista o curto período de tempo. “Quem vive no RN parece estar numa locomotiva de violência e morte, cuja letalidade está em alta velocidade, ceifando  antecipadamente vidas e chegando à casa dos 500 homicídios em 2017", disse.

Em 2016, apenas no dia 6 de abril o OBVIO contabilizou mais de 500 mortes no RN. "2016, ano considerado o mais violento da história do RN, já começa a perder para 2017”, afirmou.

Também nesta terça, um sargento da Polícia Militar foi morto a tiros na rua Cícero Pinto, no bairro Lagoa Nova, na Zona Sul de Natal. Segundo a própria PM, o crime aconteceu em frente a um mercadinho que havia acabado de ser assaltado. A arma do sargento foi levada. Este é o 6º policial militar assassinado este ano no Rio Grande do Norte.

O número de homens que já foram mortos em 2017 é de 483; o de mulheres, 18. E há o caso de dois corpos que ainda não foi possível identificar o sexo. A arma de fogo foi o instrumento mais utilizado pelos criminosos: 426 pessoas foram mortas assim. Outras 56 foram assassinadas por arma branca, 7 por objetos cortantes, 8 por espancamento e 3 por asfixia.

Ainda de acordo com os dados do Observatório, a maioria dos assassinatos registrados aconteceu na capital. Veja os números:

Natal: 135
Parnamirim: 38
Ceará-Mirim: 37
Nísia Floresta: 30
Macaíba: 19
São Gonçalo do Amarante: 17
Extremoz: 13
São José de Mipibu: 9
Maxaranguape: 3
Monte Alegre: 3
Vera Cruz: 3


G1RN


0 comentários:

Postar um comentário